quarta-feira, 24 de março de 2010

MARCOS QUINAN



.
.


.



.
Um artista multimídia, timidez revelada em seu semblante sempre sereno, Marcos Quinan é um inquieto apaixonado pela arte brasileira. Autodidata, se define como um aprendiz que tem a necessidade de conhecer o Brasil em todas as suas expressões culturais e mostrá-las aonde puder.

Nascido em Ipameri-GO, não esconde o orgulho de ter escolhido a Amazônia como o chão propício para expandir sua inspiração que o faz aplaudido produtor, compositor, teatrólogo, artista plástico, fotógrafo, agitador cultural e escritor.

Teve, ainda, uma passagem pelo teatro, no despertar de sua vocação artística ainda jovem, lá mesmo em Goiânia onde fez parte da Agremiação Goiana de Teatro, participando ativamente da conclusão do Teatro Inacabado, na época o único teatro construído por um grupo amador no Brasil. Foi ator, iluminador, diretor e dramaturgo, fundando, com Paulo Roberto Vasconcelos nos anos 70, a “Companhia de Teatro do Autor Brasileiro”. Com Roseli Naves e Nilson Chaves, nos anos 80 a “Gravadora e Editora Outros Brasis”. Junto com Nilson Chaves, Walbert Monteiro, Conceição Elarrat e Fátima Silva em 2002 criou a “ACAM – Associação Cultural da Amazônia” e foi um dos coordenadores do primeiro Seminário Cultural da Amazônia realizado por ela no ano seguinte. Foi Secretário Executivo do Programa de Incentivo à Cultura do Estado do Pará - SEMEAR e Assessor da Presidência da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves.

Em 2006 junto com o filho Marcelo Quinan criou a Lado de Dentro (http://ladodedentrobrasil.blogspot.com/), loja virtual dedicada à divulgação e comercialização da produção cultural brasileira, incluindo nossa cultura científica.

Marcos Quinan também assinou a coluna “O Que Vem do Norte” no site – www.festivaisdobrasil.com.br e hoje publica diariamente no blog ABARIBÓ http://abaribo.blogspot.com/ seu trabalho, material de artistas novos e obras consagradas da arte e cultura brasileira, além de participar, como jurado de festivais de música na região Amazônica e interagir com grupos de artistas em oficinas e palestras sobre os mais variados assuntos da cultura brasileira, da produção e dos aspectos práticos que a envolvem (Luiz Gonzaga, Canudos, Cabanagem, Direito Autoral, Leis de Incentivo Cultural).

Contudo, esse “sertanista da vida, das idéias, dos sonhos” conforme o define o jornalista Edyr Augusto Proença, só resolveu mostrar-se ao público ao atingir seu meio século de vida. Antes disso, associava sua atividade empresarial a eventos artísticos como agitador, produtor e divulgador, mas sem expor sua própria criação que hoje esta indelevelmente registrada em livros, pinturas, esculturas,fotografias, músicas e letras editadas em cd’s, uma bela produção da nossa brasilidade.

;
.. 

Sobre sua obra:

Livros :.










.
Encenações - Conjunto de contos instigantes encenados no ambiente do nosso cotidiano pessoal e coletivo. 




,












Um Lugar Chamado Primavera - história do município de Primavera localizado na Região Bragantina do Estado do Pará.








.


Teatro - “Sete Pousos” encontre no http://abaribo.blogspot.com/ para ler, baixar ou imprimir gratuitamente.







..
Teatro - “São José Diligente” encontre no http://abaribo.blogspot.com/ para ler, baixar ou imprimir gratuitamente.








..
“Gestos de cada lugar” – encontre no http://abaribo.blogspot.com/ para ler, baixar ou imprimir gratuitamente.









.
.
“Vaqueiro Marajoara – Encantarias, Chulas e Ladainhas” - encontre no http://abaribo.blogspot.com/ para ler, baixar ou imprimir gratuitamente.









.
“Jeito de Sentidor - meizinhas, enversados e recorrências...” -Poesia - Marcos Quinan nos introduz em seu mundo, como se fosse nosso também. Cheio de simplicidade e brasilidade, Jeito de Sentidor nos leva a suas paixões em poemas plenos de sentimento e angústia.








“O povo do Belo Monte” – Romance - No dizer do parceiro e interprete cearense Eudes Fraga,“ é uma reflexão sobre o episódio de Canudos, assunto recorrente em suas manifestações e objeto de permanente pesquisa na vida do autor. Nele está presente o desassossego e a brasilidade interagindo com a percepção de nossa história.”







.
“Sertão do São Marcos” - um livro de contos sobre a região em que nasceu. Na opinião de Camilo Delduque, “é um livro sonoro. É o sertão brasileiro para ser lido em voz alta. Um homem plantado na própria alma, contando da alma de sua terra.”







.“Sertão d’água” – um romance bem brasileiro que conta a história de um Conselheirista desmemoriado que veio parar na Amazônia. Vicente Salles, comentando a obra, afirma: “Sertão obsessivo do escritor que antes nos deu o Sertão do São Marcos, 2000, das veredas goianas, remansos de rios, gemidos de carro de bois; agora neste Sertão d’água, 2001, ele narra uma aventura em prosa e em poesia, complemento de vasta produção. Na ficção, Marcos Quinan voltou-se para o sertão amazônico, do extrativismo, das lendas e das encantarias.” 




,“Sertão do Reino” – Contos - seu terceiro livro apresenta deliciosos contos ambientados à época da Cabanagem. É descrito por Vital Lima como “uma reconstrução daqueles dias de luta visto pelo olhar lançado na gente comum, mas, e acima de tudo, um trabalho primoroso na arte das palavras, amorosamente entalhadas para encantar, emocionar, enfim, arrebatar o leitor.”





;“Oração de floresta e rio e outros poemas” – Poesia - O paulista Celso Viáfora assim define o livro: “Leio comovido e me transponho ao coração da floresta, no barco da leitura, espertamente, escrita na primeira pessoa do verbo, que faz a gente ir virando margem, semente, rio; ir virando lenda. Outra sutileza de poeta: a capacidade de se pôr na briga pela floresta não com palavras de ordem mas pela consagração do belo. Tão vegetal, ele nos faz, que se acaba por sentir a dor da moto-serra.”



.


Projeto Trocando Palavras


 
O projeto Trocando Palavras, criado em 2002, possibilitou a Marcos Quinan em suas três versões, promover a doação às bibliotecas públicas de todos os estados que compõem a Amazônia Legal, de sua obra literária, totalizando 3.292 livros doados.
 

Graças à parceria do Banco da Amazônia e da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, que compreenderam a importância do conteúdo da pesquisa contida na obra do autor, envolvendo em sua ficção, a Cabanagem  revolta popular ocorrida na Amazônia no Século XIX e a história de Canudos, outro importante movimento social que teve como palco o sertão baiano e a figura carismática de Antônio Conselheiro. O projeto alcançou pleno sucesso, com ampla divulgação na mídia local e foi o resultado da parceria entre o autor, os patrocinadores e a editora. Os patrocinadores adquiriram os exemplares a preço de custo, a editora abriu mão do lucro e o autor dos direitos autorais e os beneficiários foram milhares de alunos da rede pública que puderam ter acesso a essas obras nas bibliotecas de suas escolas.


   


Cds:
 








.
“Canção dos Povos da Noite” – instrumental. Várias músicas que compõem este cd , foram utilizadas em trilhas sonoras de programas educativos da Fundação Padre Anchieta, em curtas metragens e documentários de importantes instituições. Interpretes: Fernando Carvalho, Fernando Merlino, Roberto Stepheson e Eudes Fraga, que assina também a direção musical. 









.
“Dentro da Palavra” – canções com diversos parceiros e intérpretes, entre eles Nilson Chaves, Marco Antonio Quinan, Jane Duboc, Flávio Venturini, Celso Viáfora, Simone Guimarães, Henrique Pereira Alves, Selma Reis, Edmar da Rocha (Mosaico de Ravena) e Vital Lima. Produção musical de Eudes Fraga.








.

.
“Rio do Braço” – mescla instrumental e canções, com sotaque bem goiano, contém 15 faixas com produção e direção musical de Eudes Fraga, arranjos de Roberto Stepheson, Fernando Merlino. Fernando Carvalho, e as interpretações de Nilson Chaves, Vital Lima, Fernando Carvalho, Chico Aafa, Eudes Fraga, Jean Garfunkel, Marco Antônio Quinan, Marina Quinan e Marcelo Quinan, Ladton Nascimento, Eli Camargo, Murilo Fonseca e Pádua.










<
“Abrigo para um violeiro andante” – canções com diversos parceiros e intérpretes, entre os quais Zé Renato, Senzalas, Renato Gusmão, Camilo Delduque, Luli e Lucina, Aidenor Aires, Henrique Pereira Alves, Macaréu, Vetinho, Walter Freitas, Pedrinho Cavalero, Ronaldo Silva, Cláudio Nucci e Eudes Fraga que também assina a produção e direção musical.











.
“São José Diligente” com peças musicais inspiradas na tragédia do Brigue Palhaço, ocorrida em Belém, durante as revoltas que motivaram a Cabanagem. Parcerias com Marco Antonio Quinan, Eudes Fraga, Fernando Merlino e Henrique Pereira Alves. Interpretes Fernando Merlino, Fernando Carvalho, Roberto Stepheson, Marco Antonio Quinan, Paulo César Pinheiro, Luciana Rabelo, Pedro Amorim, Waldonis, Pantico Rocha. Direção musical de Eudes Fraga.









.
“Um Lugar Chamado Roncador” – canções com diversos parceiros e intérpretes, Jean Garfunkel, Marco Antonio Quinan, Zé Alexandre, Camilo Delduque, Sergio Souto, Vital Lima, Daniela Lasalvia, Paulo César Pinheiro, Mário Mesquita, Marcus Brito, Kay Lira, Fernando Carvalho, Renato Braz, Chico Sena, Nilson Chaves, Zé Luiz Mazziotti, Paulo Fraga, Simone Almeida, Nazaré Pereira, Enrico di Micelli, Paulo Façanha, Francesca Ancarola, Antonio Vicente Mendes Maciel, Edmar Gonçalves, Waldonys e Eudes Fraga que também assina a produção e direção musical.










.
...
."Colho Cura" – suíte popular em gravação caseira, parceria com Sérgio Souto e Joãozinho Gomes. Baseada no feixe de contos do livro Sertão do Reino - voz e violão de Sérgio Souto. Pode ser encontrada no http://abaribo.blogspot.com/

.

.
Alguns projetos onde há inserção de composições de sua autoria :

- Sete Programas da TV Escola – “Aulas de História do Brasil “ Coordenação MEC, Fundação Padre Anchieta e USP.

. Vídeo-documentário Projeto Tipitamba – Coordenação EMBRAPA – Belém

. A Incrível História de Ulf - O Filho Sueco de Garrincha - Documentário ESPN Brasil

. Expresso Brasil – Amapá – Coordenação Fundação Padre Anchieta

. Expresso Brasil – Acre – Coordenação Fundação Padre Anchieta

. Globo Rural – Rede Globo (02 edições)

. O Fazer Tradicional – (02 edições) –Coordenação MEC, Fundação Padre Anchieta e USP.

. Vídeo e Cd: “Tom da Amazônia”/2005 - Fundação Tom Jobim / Fundação Roberto Marinho.

- “The Madeira River – Life before the dams” - Ludus Vídeos e Cultura SP
- “Aqui Acontece Transformação Social” - Andreato Comunicação e Cultura e Fundação Banco do Brasil.






Artes plásticas:

A trajetória de Marcos Quinan pelas veredas das artes plásticas resultou em impressionante produção de mais de 500 telas que enriquecem o acervo particular de admiradores e amigos. Sua pintura revela uma especial sensibilidade, intuição, criatividade, emoção e muita pesquisa, traços naturais de sua permanente inquietação. Pressionado pelos amigos, decidiu, em abril de 2004, montar sua primeira exposição na Galeria Theodoro Braga, sob a coordenação da Fundação Cultural Tancredo Neves: “O povo do Belo Monte”, mesmo título de seu último livro. Foram mostradas 28 telas produzidas em técnica mista, todas centradas em um dos temas preferidos do artista – o episódio de Canudos.

.
..Exposições:

“O Povo do Belo Monte” – Galeria Teodoro Braga – Belém-PA – 2004

“O Povo do Belo Monte” – Galpão de Artes de Marabá – Marabá-PA – 2005

“O Povo do Belo Monte” – Exposição virtual permanente no ABARIBÓ http://abaribo.blogspot.com/

“Brasis” – Exposição virtual permanente no ABARIBÓ http://abaribo.blogspot.com/

“Maria Fragmentada” – Exposição virtual permanente no ABARIBÓ http://abaribo.blogspot.com/

“Pátria Triste” - Exposição virtual permanente no ABARIBÓ http://abaribo.blogspot.com/
.Fotografia:
.
"Casca, musgo, sombra, cor" Exposição virtual permanente de fotografias no ABARIBÓhttp://abaribo.blogspot.com/

."A liberdade da beleza" Exposição virtual permanente de fotografia no ABARIBÓ http://aliberdadedabeleza.blogspot.com/
.
"Olhar" Exposição virtual permanente de fotografia no ABARIBÓ http://olharmq.blogspot.com/


.


;Algumas telas:


Nenhum comentário:

Postar um comentário